Ouvir Radio YouTube TikTok Jogos love@antenalove.com.br


Troca de deputados após cassação de Francischini leva a exoneração de 52 comissionados da Alep




Quatro parlamentares assumem vagas na segunda (8); Adelino Ribeiro (Patriotas), Nereu Moura (MDB), Elio Rusch (DEM) e Pedro Paulo Bazana (PV) farão novas nomeações. Troca de deputados após cassação de Francischini leva a exoneração de 52 comissionados da Alep José Fernando Ogura/Alep A troca de quatro deputados na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) após a cassação de Fernando Francischini (PSL) levou a exoneração de 52 funcionários comissionados lotados nos gabinetes dos deputados que perderam o mandato, em comissões e lideranças. As exonerações foram publicadas no Diário Oficial na quarta-feira (3). Adelino Ribeiro (Patriotas), Nereu Moura (MDB), Elio Rusch (DEM) e Pedro Paulo Bazana (PV), que assumem as vagas na Alep na segunda-feira (8), farão novas nomeações. Exonerações por gabinete: Subtenente Everton (PSL): 14 comissionados Fernando Francischini (PSL): 7 comissionados Emerson Bacil (PSL): 9 comissionados Do Carmo (PSL): 9 comissionados Bloco PSL/PTB: 3 comissionados Comissão de Constituição e Justiça (CCJ): 7 comissionados Comissão de Segurança Pública (CSP): 3 comissionados Francischini presidia a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a principal da Casa. Na Comissão de Segurança Pública (CSP), apenas Subtenente Everton fazia parte entre os deputados que perderam o mandato - este por outro processo. Cassiano Caron (PSL), que tinha assumido a vaga dele no fim de outubro e também já deixou a Casa, não chegou a fazer nomeações. Conforme o Portal da Transparência, em agosto a Alep tinha 1.756 funcionários em cargos em comissão. Já a quantidade de servidores concursados era de 194 no mesmo mês. Cassação de Francischini Fernando Francischini foi cassado pelo TSE, há uma semana, por ter propagado informações falsas sobre a urna eletrônica e o sistema de votação durante as eleições de 2018. Essa foi a primeira vez que o tribunal tomou decisão relacionada a político que fez ataque às urnas eletrônicas. Ele tinha sido o deputado mais votado da história do Paraná em 2018, com 427.749 votos. A chapa do político elegeu oito parlamentares. Veja quem é Fernando Francischini Pela decisão, além de perder o mandato, o deputado fica inelegível por oito anos. O TSE determinou que os votos obtidos por ele na eleição fossem anulados, além de uma nova totalização pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR). Francischini foi alvo de investigação após afirmar, sem apresentar provas, em suas redes sociais, durante o primeiro turno das eleições de 2018, que as urnas eletrônicas foram adulteradas para impedir a eleição do presidente Jair Bolsonaro. Na ocasião, o TRE-PR fez auditoria nas urnas e constatou que elas estavam com funcionamento normal, sem indícios de fraude em seu sistema. Em nota, no dia da cassação, Francischini afirmou que lamentava demais a decisão. Um dia triste, mas histórico na luta pelas liberdades individuais. Nós vamos recorrer e reverter essa decisão lá no STF, preservando a vontade de meio milhão de eleitores paranaenses, disse. Vídeos mais assistidos do g1 Paraná: T Veja mais notícias do estado no g1 Paraná.

Comente:




Legendas

Mais