Ouvir Radio YouTube TikTok Jogos love@antenalove.com.br

Macedo diz que condições de negócio futuras da CGD são "difíceis"




 

As condições de exploração estão muito difíceis, a parte core [principal] está muito complicada. Estamos satisfeitos com o resultado do banco mas estamos muito conscientes. Os custos com os impostos e com os fundos de resolução voltaram a aumentar, afirmou Paulo Macedo, na conferência de imprensa de apresentação dos resultados da CGD até setembro (lucros de 429 milhões de euros).

O gestor considerou curiosos os custos com o Fundo de Resolução bancário, uma vez que o destinatário [Fundo de Resolução] já tem mais lucros do que vários dos seus participantes [os bancos].

Há aqui várias idiossincrasias que tornam a conta de exploração do banco do futuro muito difícil, apesar de os resultados serem expressivos, positivos, acrescentou.

Macedo disse que a CGD tem custos significativos com juros nos depósitos e que espera mesmo não atrair muito mais depósitos, já que este ano já pagou 40 milhões de euros pelo excesso de liquidez, a que soma custos com juros com dívida pública e com crédito à habitação.

Macedo referiu que quando apenas se fala dos lucros da CGD o que não se refere é que o banco público tem 9,4 mil milhões de euros de capitais para remunerar.

Tem de se fazer as contas aos capitais que o Estado, os contribuintes, empataram na CGD, disse.

O presidente executivo da CGD afirmou que, nos próximos dois anos, o banco quer devolver 2.000 milhões de euros investidos no seu capital.

Mantemos o nosso desiderato de, no primeiro semestre do ano que vem, amortizarmos 1.000 milhões de euros do que foi investido na CGD, 500 milhões nos investidores de [dívida] AT1 e 500 milhões de euros ao Estado e depois em 2023 amortizarmos mais 1.000 milhões de euros com amortização de [dívida] Tier2 e com o pagamento de dividendos ao Estado, disse.

Temos um programa ambicioso de devolver 2.000 milhões de euros até daqui a dois anos e depois continuar o caminho da devolução, mas numas condições de exploração muito difíceis, vincou.

Macedo destacou ainda a melhoria do rating da CGD, referindo que com isso o banco poupa dezenas de milhões de euros nas emissões de dívida.

A CGD divulgou hoje lucros de 429 milhões de euros até setembro, um aumento de 9,4% face aos primeiros nove meses de 2020.

No início da apresentação de resultados, o presidente executivo da CGD, Paulo Macedo, disse ainda que foi aprovado um dividendo extraordinário de 300 milhões de euros, a pagar ao acionista único (o Estado), o qual deverá ser pago ainda este mês.

Este valor junta-se aos 83,6 milhões que já tinham sido pagos.

Leia Também: BCE ainda está a avaliar nova administração da CGD, diz Paulo Macedo


Assessoria de Imprensa: 

Antena Love |

438 Visualizações

Comente:




Legendas

Mais