Home YouTube TikTok Jogos love@antenalove.com.br
VOCÊ ESTÁ NA RÁDIO


EUA lançam fundo para defesa de jornalistas alvo de acusações judiciais



 

O anúncio foi feito hoje pela administradora da agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), Samantha Power, em Washington, que defendeu o reforço das democracias, por ocasião do 60.º aniversário da agência.

Acontece que autocratas e oligarcas empregam muitas vezes uma tática brutal, mas eficaz, para matar histórias (peças jornalísticas) que não lhes agradam -- processam jornalistas até que os repórteres abandonem o assunto ou percam os trabalhos, afirmou a administradora da USAID, também ela antiga jornalista.

O fundo global vai oferecer apoio monetário a jornalistas para sobreviver a alegações de difamação ou para deter políticos nas tentativas de processar repórteres, disse Samantha Power.

A diplomata considerou que as ameaças à democracia estão em constante evolução e só podem ser prevenidas com inovação e renovação do apoio aos jornalistas.

Democracias estabelecidas também precisam de ajudar a fixar regras globais para tecnologias de vigilância ou desinformação digital, ao passo que os autocratas se tornam mais hábeis nas suas tentativas de controlar e manipular populações, declarou.

Segundo um relatório da Organização das Nações Unidas para a Ciência, Cultura e Educação (UNESCO), divulgado esta semana, 62 jornalistas foram assassinados no ano passado.

Segundo o mesmo documento, publicado no do Dia Internacional para Acabar com a Impunidade dos Crimes contra Jornalistas, 02 de novembro, cerca 1.200 jornalistas foram assassinados no cumprimento do seu dever ascende entre 2006 e 2020, com nove em cada dez casos a ficarem impunes.

Nos últimos cinco anos, o maior número de assassinatos de jornalistas, 61 casos, foi registado no México, país considerado um dos mais perigosos do mundo para a profissão.

Além de defender uma imprensa livre em todo o mundo para exigir mais transparência dos governos e dos líderes políticos, Power, antiga representante permanente dos EUA junto da Organização das Nações Unidas (ONU), entre 2013 e 2017, pediu também mais meios para combater o flagelo da corrupção global, que é um fomento da autocracia.

Samantha Power adiantou que na Cimeira das Democracias, que se realizará em formato virtual a partir de Washington, em 09 e 10 de dezembro, a USAID vai lançar diversas iniciativas para o reforço democrático e combate à corrupção.

Leia Também: Democratas dos EUA querem aprovar a agenda de Biden até final da semana

Comente:




Legendas

Mais